Rua Deputado Octávio Lopes, 195
Centro - Limeira/SP
HOME BLOG REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA POSSIBILIDADE DE ESCOLHA DO DOADOR

REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA POSSIBILIDADE DE ESCOLHA DO DOADOR

Em que pese não haver previsão contratual para custeio de fertilização in vitro pela grande maioria das operadoras de saúde, o sonho de ter um filho tem levado vários casais em todo país a buscar auxílio médico especializado, mesmo sendo um procedimento de alto custo, afinal, quanto vale o sonho?

No Brasil, não há Lei que regulamente a Reprodução Humana Assistida, sendo que, os casos que envolvem tais situações são norteados pela Resolução 2.121/2015 do Conselho Federal de Medicina.

Chama a atenção, na referida Resolução, o item IV – DOAÇÃO DE GAMETAS OU EMBRIÕES, que dispõe no item 4 o seguinte:

4- Será mantido, obrigatoriamente, o sigilo sobre a identidade dos doadores de gametas e embriões, bem como dos receptores. Em situações especiais, informações sobre os doadores, por motivação médica, podem ser fornecidas exclusivamente para médicos, resguardando-se a identidade civil do(a) doador(a).

Tal disposição tem o condão de se evitar uma disputa futura em torno da maternidade ou paternidade, ou gerar obrigação alimentar, colocando em risco o bem estar emocional de todos os envolvidos.

Mesmo assim, o Poder Judiciário tem relativizado a norma, pois limita, desproporcionalmente, o direito ao planejamento familiar, garantido pela Constituição Federal, criando obstáculos sem razão.

Nas decisões judiciais já prolatadas acerca da questão, tanto em São Paulo, como no Rio Grande do Sul, a doação de óvulos entre irmãs foi autorizada pelo Poder Judiciário, flexibilizando a Resolução do CFM, já que não se trata de Lei Federal.

A doação de óvulos pela irmã, tem maior compatibilidade fenotípica, imunológica e a máxima compatibilidade com a receptora, favorecendo o desenvolvimento do embrião e, ainda, imperioso considerar que os laços de parentesco tende a diminuir eventual disputa pela maternidade.

É imperioso também, que o médico assistente esteja alinhado com as partes e se sinta confortável em realizar tal procedimento quebrando o sigilo, já que a referida ação é interposta em face do Conselho Regional de Medicina, para impedi-lo de aplicar qualquer sanção ética/disciplinar ao facultativo que realizar o procedimento, desconsiderando o sigilo do doador.

Infelizmente, como vários temas do Biodireito, este também carece de regulamentação pelo Poder Público, sendo necessário a intervenção do Judiciário, para atuar nesta lacuna.

Caso Concreto: Proc. nº 5003638-37.2018.4.03.6100

0007052-98.2013.4.03.6102

Leia Mais

Card image cap

SUSPENSA LIMINAR QUE OBRIGAVA PLANOS A CUSTEAR EXAME SOROLÓGICO PARA COVID-19

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região SUSPENDEU a eficácia da liminar que determinava a ANS que procedesse à “inclus&atild

Continuar lendo
Card image cap

Médico só pode se anunciar como especialista se concluiu Residência Médica ou passou em prova de tít

CFM consegue derrubar a liminar que permitia médicos com diploma de pós graduação latu sensu a anunciar como especialist

Continuar lendo
Card image cap

Teleodontologia Resolução 226 do Conselho Federal de Odontologia

Em que pese o Conselho Federal de Odontologia ter editado a Resolução CFO – 226, de 04 de junho de 2020, que em sua ementa “Disp&ot

Continuar lendo
Todos os direitos reservados
© Copyright 2020 | Gianotto - Sociedade de Advogados