Rua Deputado Octávio Lopes, 195
Centro - Limeira/SP
HOME BLOG POR PERÍCIA CONTRADITÓRIA E INCONCLUSIVA TRIBUNAL ANULA SENTENÇA SOBRE ERRO MÉDICO

POR PERÍCIA CONTRADITÓRIA E INCONCLUSIVA TRIBUNAL ANULA SENTENÇA SOBRE ERRO MÉDICO

Ao julgar o recurso de apelação nº 1007948-35.2016.8.26.0577, oriundo da Comarca de São José dos Campos, a 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, com a relatoria do Desembargador Rodolfo Pellizari anulou, de ofício, sentença que havia julgado IMPROCEDENTE ação por erro médico, devido a perícia ter sido considerada contraditória e inconclusiva.

Trata-se de ação de reparação de danos por erro do médico, em virtude de uma fratura de cotovelo que teve tratamento conservador proposto, com imobilização e fisioterapia após a retirada do gesso.

Alega o Autor da ação que iniciada as sessões de fisioterapia sentia dores muito fortes, oportunidade que procurou uma segunda opinião de outro ortopedista, sendo submetido a cirurgia de urgência, diante do risco de perda da articulação do cotovelo por necrose da cartilagem.

A perícia médica concluiu que uma outra fratura sofrida pelo Autor ao 5 anos de idade não impediria a realização da cirurgia, no entanto, em suas conclusões, acabou o Expert por afirmar que a perícia não podia presumir a limitação funcional do cotovelo, além de não se sustentar por condições hipotéticas.

Desta feita, achando-se o laudo pericial absolutamente contraditório e inconclusivo, os desembargadores decidiram, de ofício, por anular a sentença, e recomeçar a instrução processual, com nova perícia a ser realizada pelo IMESC, pois julgam que aqueles profissionais, “por serem servidores públicos com estabilidade gozam de maior liberdade para analisar o caso, não se sujeitando a qualquer tipo de pressão ou constrangimento de ordem ético-moral”.

É imperioso salientar que, o profissional da saúde que anseia servir como perito judicial deve observar os ditames das Leis vigentes, bem como o código de ética da classe.

Reza o Art. 473 do Código de Processo Civil que:

Art. 473. O laudo pericial deverá conter:

IV - resposta conclusiva a todos os quesitos apresentados pelo juiz, pelas partes e pelo órgão do Ministério Público.

§ 1º No laudo, o perito deve apresentar sua fundamentação em linguagem simples e com coerência lógica, indicando como alcançou suas conclusões.

Com isso, dada a maneira contraditória e inconclusiva com a qual fora apresentado o Laudo Pericial, o processo judicial, que não é célere, regrediu para realização de nova perícia, visando o cumprimento do artigo supra citado.

Por conseguinte, a atuação da segunda instância, ao anular a sentença de ofício merece ser louvada, por não terem sido os julgadores levados a erro, observando a ausência de conclusão, evitando-se, assim, o cometimento de uma suposta injustiça.

Por essas razões, os profissionais de saúde que desejam trilhar o caminho das perícias judiciais precisam estar constantemente atualizados e concentrados ao caso concreto, renunciando a nomeação, se não se sentirem confortáveis.

Processo nº 1007948-35.2016.8.26.0577

Leia Mais

Card image cap

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSIDERA O USO DE CLOROQUINA E HIDROXICLOROQUINA EM CONDIÇÕES EXCEPCIO

O Conselho Federal de Medicina, emitiu parecer CFM n° 4/2020, da lavra do Conselheiro Mauro Luiz de Brito Ribeiro, considerando o uso da cloroquina e

Continuar lendo
Card image cap

Os Direitos dos Autistas

Nesse dia 02 de abril, dia Mundial da Conscientização do Autismo, trazemos em nosso blog algumas relevantes informações acerca de

Continuar lendo
Card image cap

ANVISA amplia a quantidade máxima de medicamento com receita controlada e permite entrega em domicíl

No último de 24/03/2020, foi publicada no Diário Oficial da União, pelo Ministério da Saúde/Agência Nacional de V

Continuar lendo
Todos os direitos reservados
© Copyright 2020 | Gianotto - Sociedade de Advogados